Sempre é bom chegar em um lugar e ter algum conhecido . No meu caso no Panamá é o Aris, um grande amigo dos tempos que trabalhávamos nos cruzeiros, já tinha ido me visitar no Brasil e agora era a minha vez.

Cheguei no Panamá uns 40 dias antes que Quique, assim que fui  verificando o território e rotas que podíamos fazer em bicicleta.

David e a terceira maior cidade do Panamá e capital da província de Chiriqui, mas com um ar de interior. Uma cidade pacata, não vi muitas atividades como teatro, literatura local, bibliotecas e shows musicais. Mas o movimento de carros é intenso, principalmente das camionetas grandes, vans e taxis. Na praça principal (eles chamam de parque) tem Internet grátis e muita gente se concentra ali, desde crianças até idosos como ponto de encontro.

_DSC3225 x

Fiquei “hospedada” na casa da mãe de Aris na cidade de David, a Senhora Délia.  Fiquei uns dias sozinha na sua casa já  que ela estava viajando e  Aris e sua esposa Vanessa vivem e trabalham em uma ilha cerca de 1h30 daqui. Depois sim conheci essa senhora tão amável, comunicativa, generosa e ativa.

Fica muito tempo na capital para cuidar de seu neto por isso por muitos dias não estava em casa, aos 64 anos tem uma vida super agitada e depois de se aposentar claro que não iria ficar em casa quieta. Cozinha super bem, costura molas e chácaras (acessórios da cultura indígena dos Kunas),faz roupas estilosas e roupas tradicionais da cultura panamenha (polleras e camisas) planta em seu jardim, conhece vários países e ainda por cima uma super mãe e avó, e ótima anfitriã.  Com certeza levaremos ela como uma mãe adotiva!

_DSC3356 x

Não completamente sozinha fiquei esses dias, pois tinha a companhia de Capuchino, Greto e Mimi, dois cachorros e uma gata respectivamente.  Que depois de algumas semanas veio acompanhada de mais três gatinhos que tinha acabado de dar cria. Bem que ela tentou traze-los para dentro de casa , mas coloquei uma caixinha atrás da casa em um galpãozinho onde ficaram bem acomodados. Quando começamos a viagem, eles já estavam grandinhos e já andavam pelo pátio.

_DSC3031 _DSC3157_DSC3354 x

Aproveitei esses dias para por algumas coisas em ordem, como por exemplo, o blog . São tantos detalhes de Internet, estrutura de blog, google analythics, menus, plug-ins que tivemos que aprender para fazer para nos virar nesse mundo digital!

E claro,tive muito tempo  para explorar a gastronomia panamenha, principalmente as frutas! Muito mamão, abacaxi, banana e abacate que são comuns no Brasil mas aqui parece que são mais doces.  A primeira fruta rara que conheci foi o pifá ou pijebaye. Que tem textura de abóbora e aqui comem com mel ou com maionese.

_DSC3048 x_DSC3030 x

Numa ida rápida até a fronteira com a Costa Rica  com Aris e  Doña Délia pude ver que também tomam o caldo de cana, mas que se chama garapa. Comemos um pratão de arroz e lentilha com tajadas (plátano maduro) e uma chicha de nance (uma frutinha azeda, um pouco estranha de paladar) por 2,50 dólares cada um, achei o máximo!

Como de David a Paso Canoas são uns 50km fomos e voltamos no mesmo dia, tem uns free shops e tentei achar algo para a bicicleta mas não encontrei nada. O bom que na volta paramos numas tendinhas que vende frutas: conheci o mamón chino (que é parecido com a lichia)o zapote ou teta de chola ( sapoti) a guanabana ( que creio que é como a graviola).

_DSC3055x_DSC3145 x_DSC3182 X

A província de Chiriqui é super orgulhosa do seu povo, tanto que percebi em todos chiricanos um pouco do que tem os gaúchos e adoram dizer isso ( produzem muito gado, legumes, tem praia e montanha, muita colonização europeia) e ainda por cima alguns locais gostariam que a província se separasse do Panamá para se tornar um estado independente.

Faz um calor impressionante na cidade, sensação térmica de 40 graus quase todos os dias , isso que chove quase que diariamente! Tanto que até já me acostumei de tomar banho frio, não que eu goste, claro. Torço que caia uma aguinha morna nem que seja no lombo.

Um bom lugar que eu encontrei na cidade para matar o calor e também explorar os sabores panamenhos foi a Jackelita. Uma lanchonete que tem tudo natural e tudo feito por eles, foi a descoberta! Ia quase todos os dias provar os sorvetes de coco (o melhor de todos!), nance, guanabana, manga, abacaxi. Além do chicheme (que é um suco de milho) e do tamal (a pamonha daqui, um pouco mais cremosa mas também enrolada na folha de milho ou palmeira).

_DSC3067 x_DSC3068 x

Um passeio interessante de bicicleta foi ir até La Barqueta, uma praia que fica no Pacífico que foram uns 65 km de distancia ida e volta. A praia me surpreendeu, mar bem azul, ondas grandes, bastante areia (mas detalhe, a areia era cinza por ser de origem vulcânica e depois por ficar com as unhas sujas!)

2014-07-27 11.39.15

Fiquei umas horinhas na praia e logo vieram falar comigo, primeiro uma família e depois o dono do restaurante: Te vi na estrada e já chegaste! Eu te vi saindo de David…e já tinha te visto pela cidade de bicicleta!! E varias perguntas sobre a viagem que estava para começar. Que curioso, mas como chama atenção uma bicicleta na estrada!

2014-07-27 12.04.36

Depois de conversar um pouco fui provar os quitutes do restaurante, já que o dono me chamou para provar uma especialidade da casa : Camarones al ajillo con patacones! Traduzindo: camarões com molho picante de alho, cebola e tomate com plátanos (banana verde salgada que geralmente se faz frita).

2014-07-27 12.29.15

E depois de uns dias que chegou Quique, já começamos a arrumar os detalhes finais para sairmos em bicicleta rumo ao México. E com a ajuda da Todo Bike (uma loja de bicicletas bem no centro de David, administrada pela Ana e pelo ciclista Mohamed), além de uma bicicleta conseguimos uma revisão, ajuda para colocar suportes e outros pequenos ajustes.

Chegava a hora de partir, mas eram muitas coisas ainda que faltavam. Tentamos nos organizar para sair bem cedinho para não pegar o sol forte na estrada, já que nesta região neste horário não é nada conveniente para ciclistas no asfalto! Despedida com a Doña Délia e aos bichanos da casa que nos fizeram companhia também nesses dias, e certamente o agradecimento mais que especial para esta senhora que nos recebeu tão bem, nos mimou e nos deixou mal acostumados! Deixamos uma mochila na casa com a desculpa de voltar, porque faremos o possível para reencontrar essas pessoas tão especiais que conhecemos. Mas finalmente no dia 15 de agosto com as alforjas carregadas e com um sonho a realizar partimos rumo a Gualaca, nosso primeiro ponto de partida!

Como nosso objetivo não é chegar rápido e sim desfrutar o caminho, as pessoas locais e a cultura dos lugares vamos bem tranquilos, com não muitos quilômetros diários e na velocidade dos nossos pensamentos!

E assim foi, depois de 2 anos economizando, alguns meses antes nos organizando e com um friozinho na barriga o acercandomundos começa sua história pela América Central!

_DSC3363 x

 

Facebook Comments