26 de janeiro de 2015

Tínhamos que passar para outro país para renovar nosso visto, já que nos restava alguns dias apenas para sair da Guatemala. Éramos quatro pessoas decidindo roteiro com pouco tempo, muitas opções e também opiniões diferentes. Como estávamos no norte e perto da fronteira com Belize, aproveitamos a ocasião para conhecer um país bastante incógnito para a gente. Eu relacionava Belize a praias lindas e ao Blue Hole, Quique por ser um paraíso fiscal e Maria pelo Miss Universo, que sempre tinha uma candidata de Belize…rsrs.

Achamos estranho que não encontramos nenhum transporte público no qual os próprios guatemaltecos usassem para locomover para esta região. Acabamos indo em uma van cheia de turistas estrangeiros até a cidade de Melchor de Mencos onde iríamos deixar a van, fazer os trâmites de imigração e passar para o outro lado, Benque Viejo, Belize.


Escutávamos muito falar de que teria que pagar muito para entrar e sair de Belize, tanto que pensamos que nem valia a pena. Mas para nosso alivio, para entrar não tinha nenhuma taxa, somente na saída teria um custo de cerca de 20  dólares.

Ao fazer os trâmites reparamos uma quantidade muito grande de estudantes passando para o lado belizenho. Tratava-se de 580 crianças guatemaltecas que diariamente estudam em cidades de Belize. São guatemaltecos que escolhem estudar nas cidades próximas da fronteira pela qualidade da educação e principalmente por estudar em inglês.

O único problema que eles tem depois é que para revalidar seus estudos na Guatemala ainda  é um pouco burocrático e também caro, mesmo sendo uma prática comum desde 1962.

Belize é o único país da América Central que tem como idioma oficial o inglês, consequência de ser uma ex colonia inglesa, período que foi chamada Honduras Britânicas até 1973 que obteve o nome atual. A independência do Reino Unido ocorreu em 1981. Mais muitos conflitos e tensão entre Guatemala, Belize e Inglaterra seguem em questão por disputa territorial até nos dias de hoje.

Já no lado belizenho tinha uma outra van esperando a gente. No trajeto era possível reparar um caminho muito plano e reto, rodeado de plantação de laranjas e algo não tão comum para nós: um cemitério no meio da estrada.  Um fato curioso já que podiam ter desviado a rua pelo lado, mas foi mais fácil fazer uma bifurcação com alguns túmulos centrados no caminho.

Nosso destino era o Cayo Caulker, um dos destinos mais conhecido do país. Os pais do Quique já tinham conhecido ruínas maias, montanhas, vulcões e lagos e antes de voltarem para Uruguai queriam relaxar em uma ilha caribenha. Não tínhamos muito tempo, assim que seria uma visita breve e torcíamos que São Pedro pelo menos ajudasse com o tempo.

Os cayos são pequenas ilhas rasas, arenosas, formadas na superfície de um arrecife de coral. Ficava tentando encontrar uma tradução para o português , mas na verdade é uma ilhota mesmo.

O lugar para embarcar para o Cayo era em Belize City, que não é a capital, pois é, a capital é Belmopan. Ao chegar no pequeno porto vimos uma grande  quantidade de agentes de viagens querendo vender passeios, hotéis e restaurantes.

A língua oficial de Belize é o inglês, embora boa parte da população fale espanhol e o crioulo belizenho, que é uma mistura de inglês com línguas africanas e indígenas.

Logo trocamos nossos dólares USD (americanos) para os dólares belizenhos. A conversão é 1 para 2, ou seja, 100 dólares de Belize são 50 USD.

Belize é membro da comunidade britânica (Commonwealth) e tem a rainha Elizabeth como chefe de Estado, assim que logo já vimos na própria nota a figura da Queen.

A viagem até o Cayo Caulker era aproximadamente de 1h e 30 minutos e custa cerca de 20 dólares belizenhos. Aproveitamos para fazer um estoque de comida e água já que nos alertaram que na ilhota os preços são bem mais altos. Esperamos nosso táxi aquático chegar para enfim aproveitar um pouco de praia. E como um passe de mágica, todas as nuvens do céu se foram e  lindos dias nos esperavam. Gentileza de São Pedro.

Chegando no Cayo já podíamos ver aquela água cristalina caribenha que ali nos aguardava.

Mas antes de poder aproveitar, tínhamos que buscar um alojamento.

Depois de algumas tentativas, acabamos encontrando umas cabanas bastante confortáveis, com um píer na frente e com vista pro mar e para…

Sim, esta era nossa outra vista também. Mais uma vez os cemitérios belizenhos nos perseguiam.

Saímos para conhecer a ilha. Vimos que a maioria das pessoas se movimentam a pé, em bicicleta (triciclo também) ou com carrinhos de golf.

Uma comida rápida foi o espetinho do King, que em seu triciclo percorria a ilha com seus frutos do mar em palitos.

A culinária de Belize tem bastante influências, desde a herança maia até a mescla com a colonização britânica. Sendo similar com a comida mexicana e guatemalteca.

O café da manhã, por exemplo, é bem reforçado, sendo composto geralmente por pão crioulo, tortilla de milho, queijo, feijão frito, ovos, bacon, cereais, leite e café.

Buscamos um lugar para deitar na areia fofa caribenha e poder desfrutar das suas águas cristalinas. Mas Cayo Caulker não é exatamente primor em termos de praia. Onde há areia, a água é rasa demais e o fundo do mar é forrado por algas.

Na frente do hotel tinha um píer no qual utilizamos bastante para tomar banho de sol, saltar na água ou simplesmente matear.

Outra opção mais agitada é passar o dia no Lazy Lizard, um bar localizado na ponta norte que toca música quase todo dia, justo no ponto onde o furacão Hattie partiu a ilha em duas , formando um canal onde os turistas se refrescam. A praia ficou conhecida como “The Split” (a ruptura, separação).

Fonte:commons.wikimedia.org

O jeito era banhar-se ali mesmo. Entramos todos na água pensando que ia ser uma tranquilidade só. Quique quis dar uma nadada mais perto do canal e levou um tremendo susto, já que a correnteza neste local era tão forte que ele saiu na outra parte da ilha.

Eu fui fazer o mesmo e quando vi  a correnteza estava me levando, passei perto dos escombros da passarela e fiz dois cortes na perna. Parecia um coral, cortando fininho a pele.

Após os sustos resolvemos ficar mais tranquilos apenas no sol e ou no píer perto do hotel.

Quem nunca teve uma anedota quando tenta falar outro idioma, né? Estávamos no quarto do hotel e chega a camareira com toalhas amarelas e azuis na mão e pergunta:

– Do you need blankets?

Quique olha bem para as toalhas e responde:

No, that´s ok. We don´t need blancas. Thanks.

A camareira vai embora e eu pergunto para ele porque ele não quis que ela trouxesse um cobertor(blankets). Aí ele se deu conta que não tinha entendido nada…ele pensou que ela estava perguntando se queríamos toalhas ¨blancas¨ !!!  rsrsrs

O sotaque dessa região é um show a parte, todos os dias de manhã passava um vendedor de pão com seu triciclo, gritando bem alto e num tom cantado caribenho: (uma pena que não gravamos)

– Banaaanaaaa breaaaaddddd!!!

Outro que vendia uns chips de banana era José, um guatemalteco que fazia uns anos que morava na tranquila ilha, dizia ele que como o Cayo não tinha outro lugar assim.

O lema do Cayo é “Go Slow” e os moradores encaram seriamente este dito. Não somente como uma gíria local, mas também representando nas ações das pessoas de lá.  Não tem pressa para nada, o tempo corre devagar, na arquitetura local se vê que a ilha parou no tempo com suas casas de madeira estilo colonial, fazendo que todos que ali chegam estejam propícios a relaxar.

Para outra noite já sabíamos que não teríamos quarto nesta mesma pousada, assim que que a busca por alojamento seguia. Deixamos o Luis, pai do Quique responsável por esta façanha.  Ele se virava com gestos, frases soltas e assim ia conseguindo a comunicação. Só complicou quando ele quis dizer o número 12 e ele só sabia contar inglês até o número 10.  Risos.

Acontece que o Tropics Hotel tinha outro prédio na ilha, assim que conseguimos uma vaga neste outro local, que era mais central e também com uma vista impecável.

Conversando com o trabalhador da Hotel de grandes furacões recentes, tempestades e conflitos bélicos entre Guatemala e Belize.

“Dizem” que o nascer do sol na ilha é muito bonito, isso porque das duas noites que passamos lá não tivemos for¢as para levantar cedo e ver o sol nascer. Para ter as lembranças das fotos tínhamos os sogros como fotógrafos que desfrutaram estes lindos amanheceres.

À noite, as opções  de restaurantes eram poucas, na verdade poucas para  que buscávamos. Já que a maioria eram comidas internacionais, como italianas, mexicanas e de fast food. Nada muito autêntico da região. Para nos despedir da ilha fomos de cerveja belizenha Belkiner, Lighthouse e Guiness para matar a saudade.

Também compramos um bitter típico da região, que seria uma mistura de ervas amargas e digestivas bastante tradicional entre os maias, que nos recomendaram tomar após as refeições.

Foi uma passagem rápida por Belize, não pudemos tirar muitas conclusões sobre o país e tampouco ter muito acesso ao pessoal local, já que fomos apenas para o Cayo Caulker que é um lugar muito turístico.

Voltamos para o portinho aonde chegamos e nos esperava uma van que nos levaria de volta a Santa Elena.

No caminho vimos os alertas de furacão na região, e logo fomos informados que nesta região é um ponto bastante propício de ter tempestades tropicais, ciclones e os temíveis furacões.

Chegando a fronteira fomos pagar uma taxa de saída de Belize no valor de 37 dólares belizenhos. Após isso, era carimbar o passaporte novamente na Guatemala e descansar em Santa Elena.

Facebook Comments